Projeto Potência acompanhando o Festival Fundação das Artes de Teatro Estudantil – Espetáculo “Rejane precisa namorar”

Posted on Posted in Festival Fundação das Artes de Teatro Estudantil, Novos Encontros
Na noite deste quarta-feira, novamente fomos ao teatro Santos Dumont assistir ao espetáculo “Rejane precisa namorar” do Grupo Teatro de Colorir, da Emef Leandro Klein, São Caetano do Sul. E mais uma vez a experiência num Festival Estudantil me faz pensar na verdadeira Potência do fazer teatral para crianças e adolescentes. André Felix e seus meninos deram uma lição de espontaneidade, humildade e generosidade com a apresentação de “Rejane precisa namorar” Segue reflexão em áudio de minhas parceiras nessa Jornada: Carol Tello (Assistente de Direção e Preparadora Corporal do Brinquedo Torto), Camila Mel e Lilian Silva (atrizes do mesmo grupo). As fotos são novamente de Leandro Souza, o Guerreiro. Logo após vem minha crônica, escrita de mente fresquinha logo após o espetáculo, ainda nas poltronas do Teatro.



EMEF Leandro Klein – São Caetano do Sul –SP
Grupo Teatro de Colorir
Direção – André Félix Marques da Silva

Rejane Precisa Namorar
Texto de Jean Ferreira de Oliveira

A história de Rejane, uma garota que enfrenta o maior desafio dos seus 13 anos de idade: o início da vida amorosa. Dúvidas, medos e desventuras conduzirão Rejane até a resposta do grande dilema: Rejane precisa namorar?
02 de outubro (quarta-feira) | 20h | 40 min. | Teatro Santos Dumont

Isso não é uma crítica
(é uma reverência à sabedoria de André Felix, mais um filho de Spolin. Cada vez menos professor de História e cada vez mais Educador Potente e dos bons)


Eis as cores do Teatro de Colorir:

Começa a peça. A peça, gente!

O Diretor imprime sua assinatura na abertura, ou antes dela. Ultrapassam o espaço, caminham os meninos e colorem o palco com cores e palavras. Brincam com a ordem delas, brincam com as faltas aos ensaios, tão recorrentes em todos os grupos. Uma frase que se repete e questiona. Rejane precisa namorar. Precisa mesmo?

Assuntos recorrentes do recreio, das pausas e até das aulas, para terror dos professores, ocupam o espaço do palco. Doze anos vividos, anseios e desejos de menina. Outra vez o feminino em cena. O amor, ou namoro ou desejo de namorar, não namorar, namorar o próprio gato, talvez um belo casal. A menina que não se encaixa. 

Quantas Rejanes há entre nós? Tende a ceder à pressão, mas não cede. Desiste no último momento e aguarda mais um pouco. Aproveita um pouco mais a infância que já vem findando. Escolha acertada.

O genuíno, o respeito à individualidade, a experiência que se valoriza. O valor da apresentação que se desglamouriza e se enfatiza a caminhada, o processo, o crescimento. E o encantamento da verdade e da simplicidade que se estabelece, torna tudo ainda mais belo. A humildade dos meninos, e do menino que dirige tornam o bate papo sublime. E o teatro segue a nos ensinar, mesmo quando não tem este intuito. E que bom que é assim.

Aprendi vendo, divertindo e embarcando na brincadeira proposta. E no bate-papo, o desejo que tenho é de conhecer mais este ambiente, essa turma, frutos de uma educação libertadora. Aprendi uma lição. Por que ser tão sisudo? Que vida leve, que colorido doce e singelo me tomou agora com esse colorir desse teatro.   

Colorir é POTÊNCIA!
Rejane é POTÊNCIA!
ANDRÉ FELIX É POTÊNCIA! POTÊNCIA! POTÊNCIA!

Muita coisa sobre o que vi e ouvi ainda ecoa dentro de mim nessa manhã chuvosa de quinta de manhã. Mas estas romperam a barreira do indizível. Fico então por aqui, ansiando pela próximo encontro com André, seus meninos e os próximos a se apresentarem nesta quinta-feira.

VarleiXavier About VarleiXavier
Professor Xavier é meu herói preferido. Sempre me senti meio mutante, perdido e deslocado, mas o teatro (essa irmandade) me salvou. Desde então, com meus poderes mentais, recruto seres especiais para cumprir minha missão: Levar encantamento ao mundo. Professor, Ator, Dramaturgo, Diretor, Contador de Histórias e Sonhador Potente.