O Ator quando olha para fora, sonha. Quando olha para dentro, desperta!

Posted on Posted in Artigos, Ronaldo Ventura

Muitas pessoas acham que atores vivem de ilusão. Alguns atores também. Esses, vivem na ilusão.

Ser ator é viver repleto de responsabilidades. Você tem responsabilidade com seus companheiros de cena, com seu diretor, com o autor da obra, com os técnicos de som e luz, com os artistas que criaram o cenário, o figurino e a sonoplastia, com os serventes, os faxineiros, os bilheteiros… Você tem responsabilidade com seu público. Você tem responsabilidade com você mesmo.

Não é uma vida de glamour. O único brilho que faz sentido para o ator é o da luz que vem do holofote e que reflete no seu suor.

Não perca tempo vislumbrando a glória. Ator não tem glória, ator tem honra. E dignidade. Uma honrosa dignidade.

Muitos artistas de teatro acreditam que o texto é o principal em um espetáculo. Não é. Claro que o texto tem sua importância. Ele também foi criado à base de suor. Foi pensado, pesquisado, cortado, aumentado, diminuído, relido, apagado, reescrito… enfim, para que o texto fosse eficiente, também foi exigido do dramaturgo o seu melhor. Mas qual é a função do texto? Qual o objetivo, a necessidade, do texto?

O texto tem uma função apenas: ser útil. Ele existe para compor junto com as outras artes, com seu desejo de fazer o melhor espetáculo da noite.

Mas diferente do texto, o ator não tem somente a “função” de ser útil. “ser útil” é somente uma de suas responsabilidades. Ele também tem que ser alerta, disposto, atento, presente…

O ator não pode esquecer que ele é o dínamo transformador de realidades. A sua função é ser ao mesmo tempo a força e o centro de gravidade do espectador.

Nos mitos gregos havia um deus, um titã na verdade, chamado Prometeu. Ele foi condenado por ter roubado o fogo dos deuses e trazido aos homens. Prometeu trouxe um pouco do Olimpo para a Terra. Nunca passou pela cabeça de Prometeu levar os homens até ao Olimpo. Ser ator é ser melhor que Prometeu. O ator pode tanto nos levar, ou trazer para nós, um pouco do céu, ou um pouco do inferno. O ator possui a capacidade de nos dar acesso a um pouco de divindade. Mas esta divindade não está no alto de uma montanha, acima das nuvens, nos mundos subterrâneos, ou no fundo do mar, não. A divindade que o ator nos conduz a tocar está dentro de nós.

E talvez essa condição esteja acima daquilo que chamamos normalmente de “função”, ou “responsabilidade”… talvez devemos chamar de “vocação”. E cumprir sua vocação é algo mais exigente que decorar textos, ou não chegar atrasado no ensaio.

A vocação do ator exige aceitação e preparo. Exige que você pare de se iludir; que aprenda a pensar por si só; que aceite suas capacidades, habilidades e seus defeitos, com humildade; que pratique o amor, não o amor a você mesmo, mas à humanidade, que agora você serve.

Maya é um termo indiano que se refere ao conceito de ilusão do universo, como se tudo que se apresentasse diante de seus olhos fosse falso, um obstáculo que se impõe entre você e a verdade, tornando sua vida uma sucessão de sonhos que lhe seduzem e lhe impede de alcançar toda sua plenitude.

A vocação de ser ator exige que você desperte.

About Ronaldo Ventura
Ronaldo Ventura é um milionário excêntrico que as noites veste uma fantasia de homem morcego e combate o crime. De dia, ele dirige espetáculos e escreve peças. conheça seu trabalho em www.ronaldoventura.com

  • Gabrielle

    Ótimo ! Adorei …

  • VarleiXavier

    Ronaldo! Seu texto lança luz sobre uma questão muito importante, que deve ser observada por todos aqueles que fazem teatro, especialmente aqueles que estão começando e que imaginam haver algum glamour na nossa atividade.

    Quando se compreende a profundidade daquilo que se faz, o trabalho torna-se não só belo, mas sobretudo transformador. E tudo o que espero é que o Grupo Brinquedo Torto siga este exemplo.

    Muito obrigado por ser o farol que ilumina nosso navegar pelas águas dessa arte tão incrível.

    RESPEITO, UNIÃO, GARRA, DISCIPLINA E AMOR!

  • Denys

    Responsabilidade, amor e util. Palavras que um ator deve ter dentro de si em momentos de cena. Devemos dar o nosso melhor, oque esta em nosso alcance, usar as nossas habilidades e etc.
    Teatro não e status, teatro e algo que se faz por amor, por gostar de fazer teatro. Se um trabalho esta sendo feito por status, nunca sera um trabalho bem feito. A vontade de fazer o que gosta estimula na transformação do ator ou de qualquer outra pessoa.
    Simplesmente Lindo.

  • Isabella

    “É muito importante para um ator ou atriz olhar para tudo e todos e nunca se esquecer da vida real.” Adorei!!

  • Miguel Tescaro Fagundes

    Acho interessantíssima a parte sobre o ator ter responsabilidade com ele mesmo, pois se não tem, tudo o que ele faz vira uma bagunça.
    Parabéns, Ronaldo, por mais um texto que me incentiva, como ser humano, ator e futuro educador, a continuar lutando pelos objetivos certos.

  • Pingback: Oficina/Teste do Grupo Brinquedo Torto – DIA 5!! |()