Confissões de Anna #1 – Primeiro Dia de Aula

Posted on Posted in Artigos, Brinquedo Torto, Confissões de Anna, Em processo, Grupos

Capítulo 1 – Primeiro dia de aula

Me lembro como se fosse ontem, da inocência e da pureza infantil, da verdade no olhar, de só achar graça, de brincar com o tudo como se fosse o nada, como se o mundo ainda fosse amarelo, rosa, e vermelhos, minhas cores favoritas, e que eu apenas era EU.

Meu pai todo animado como sempre, me acordou cedo e me tirou da cama cantando uma música:

“Menina que é capoeira

Menina que sabe jogar

Tua ginga é uma beleza

Teu sorriso me faz delirar

Ê, lê lê e, e lê a e, lê lê

Quero ver a menina jogar

Ê, lê lê e, e lê a e, lê lê

Quero ver a menina jogar…”

Era uma manhã alegre com uma leve brisa, o sol estava nascendo e o dia clareando, e eu ainda meio sonolenta, só abri um pouco olho para ver o que estava acontecendo, então ele me deu um beijo na testa e disse “ Acorda dorminhoca! Hora de ir para a escola”, foi aí que dei um pulo e me animei na hora, era meu primeiro dia e eu estava mais ansiosa que um jogador de futebol antes do jogo. Meu coração batia forte, e não conseguia esconder o sorriso e a animação que sentia, meu corpo vibrava.

No caminho para a escola, eu conversava com meu pai sobre fazer novos amigos, brincar com eles, estudar bastante, ter uma professora, eu não parava de tagarelar, e ele só dava aquela risada que ele sempre da me olhando de rabo de olho. O caminho não era muito longe, mas era uma caminhadinha pois tínhamos que descer o morro inteiro, mas descer era fácil, difícil era subir.

Quando eu cheguei, vi que era uma escolinha super colorida, com letras pintadas no portão e um barulho de que crianças brincado. Logo soltei a mão do meu pai, ele me deu um beijo na bochecha e disse “ Vê se você se comporta direitinho, não quero ouvir reclamações de você. DIVIRTA-SE. Te Amo! ” (Meu pai me amava sim, mas ele não procurava me mimar. Se eu aprontasse teria um castigo me esperando). A professora me deu a mão e fomos caminhando para dentro.

Era a primeira escola da minha vida, e a primeira coisa que uma das professoras fez foi deixar as crianças em roda, em uma área aberta com brinquedos em volta, para que todos se conheçam. Aquela sensação de felicidade ainda estava dentro de mim, mas agora camuflada com o nervosismo de falar, com medo de não gostarem de mim, de me acharem chata ou algo pior. Meu coração estava saindo pela boca, minhas mãos estavam suando, e eu não parava de olhar para os lados, não sabia nem os movimentos que eu estava fazendo. Todos começaram a falar seus nomes na ordem, e eu já estava pensando em correr, quando lembrei do que meu pai dizia para mim quando eu estava aprendendo a andar de bicicleta, ‘’ Não desista tão fácil, o medo vai fazer você perder os melhores momentos, tenha coragem”.

A primeira etapa de me apresentar foi cumprida, agora era hora de fazer amigos. Estavam todos brincando e eu esperando a oportunidade de chegar junto, até que uma menina colocou a mão no meu ombro e chamou para brincar de casinha. Pra mim, a ideia de brincar de casinha era nova, porque todos falavam de papai e mamãe, presentes para os filhos, natal, sapato novo todo mês, e o que eu tinha era outra realidade, mas o que eu podia fazer a não ser entrar na onda? Era uma fantasia.

Estávamos todos prontos para a brincadeira, cada um tinha um cargo , um era o pai , a outra era a mãe , tinha tio e tia , avô e avó , filhos… Eu só queria saber o que eu iria ser , então perguntei para um garotinho que estava dando risada com outros garotos, eu estava ansiosa para fazer amizade e chegar em casa contando mil novidades para meu pai, mas ai ele me olhou torto , parou de dar risada , me olhou de cima para baixo, e eu achei que estava atrapalhando. Me senti muito estranha, fiquei me perguntando o que eu tinha feito de ruim para me olhar daquele jeito, e porque todos pararam de rir junto com ele. Será que estava com mal hálito? Mas em seguida, ele me disse o que eu seria na brincadeira, “ Você será o cachorro”.

Anna Jinga

Confissões de Anna é um experimento de construção de personagem realizado pela atriz Gabrielle Souza, do Grupo Brinquedo Torto para a próxima montagem do grupo, que estreia em Setembro. 

About Gabrielle