Confissões de Anna #9 – O caminho de luta

Posted on Posted in Artigos, Brinquedo Torto, Confissões de Anna

Amargosa Valley, Nevada; highway through desert

Sonho é uma semente que plantaram no interior de cada pessoa, e apenas irá se transformar em flor, se for regada com amor, persistência, carinho, garra, e tudo que faça a semente florescer. Mas a vida é nossa praga, que comerá a flor se nada for feito.

Sonho com coisas inimagináveis para alguém como eu, coisas que falaram que estão fora do meu alcance, que eu não conseguiria, para desistir, pois era o fim da linha. Mas para mim, não. Não sou de desistir, a vida me ensinou muito para eu jogar todo esse aprendizado fora, e não lutar.

Estou armada da cabeça aos pés, e estou pronta para a luta. Obstáculos irão existir na corrida da vida, e talvez o meu principal obstáculo seja eu mesma. Quem sabe eu seja uma arma preste a disparar verdades da realidade para todos que necessitam, como se fosse um colírio nos olhos dos sem visão.

Eu posso sonhar e realizar o que eu quiser, afinal sou um ser humano como qualquer outro, não é mesmo? Errado. Sou negra, moro na quebrada, na selva de pedra, sem mãe, e você acha mesmo que eu posso realizar o que eu quiser? Eu vivo observando olhares de dó, e até mesmo de medo voltados para mim. Outro dia estava andando na rua e veio uma mulher na minha direção mexendo no celular, e em uma distância de um metro de mim, ela finalmente olhou para frente e me viu, guardando o celular rapidamente e atravessando a rua.

Mas essas dificuldades, que me fazem tropeçar na corrida até meu prêmio final, são úteis e me servem de lição. Me ergo em cada pedra que encontro pelo caminho, e com elas tomo impulso para ir em frente. Meu pai já me dizia “você é forte”, e com ele eu sempre estou, sonho o mesmo que ele. Ajudar as pessoas, nosso vicio.

Eu ficava tão triste quando via meu pai cabisbaixo, sempre que não conseguia fazer algo. Ele, apaixonado pelas crianças do bairro, queria fazer mais por elas, preservando nossa cultura e deixando ela florescer, despertando em cada criança o seu dom. Era desanimado todos os dias ouvindo “ larga disso”, “ essa sua agitaçãozinha é temporária, melhor nem começar”, “ isso é besteira, logo, logo esses moleques viram ladrãozinhos, é sempre assim”, mas meu pai buscou sempre olhar para frente, e não para os lados. Levo isso como exemplo todos os dias!

Eu luto pelo meu sonho, e é assim que rego minha semente, pois se não sou eu, não vai ser ninguém. As vezes olho para o céu e imagino que estou em um universo de possibilidades, e posso escolher todas elas, sem pressa, sem medo, mas é só imaginação, vida real é diferente, as coisas são rápidas e com uma só escolha. Difícil para qualquer um viver em um mundo onde há diversas opções, mas a dificuldade aumenta quando não há opção.

Eu me olho no espelho e vejo só uma moça, que não merece o que está passando, porque lá dentro sou só uma criança, não importando a idade que eu esteja, minha fragilidade sempre estará presente, e meu sorriso de criança ainda está estampado dentro de mim, em algum lugar, mas esta camuflado com essa minha armadura de ferro que carrego. Meu sonho está lá também, aguardando ser realizado, mas a cada passo que dou o caminho parece aumentar, as vezes parece ser impossível vencer essa corrida contra o tempo, que nos persegue incansavelmente, com o objetivo de nos cansar e nos fazer desistir.

Esse meu desabafo está agora me dando forças para continuar. Tento me abraçar por dentro e confortar meu peito cansado. Sou como umas dessas frutas que por fora é dura e difícil de abrir , mas por dentro é doce e macia. Mas a vida exige da gente muito mais, e os nossos sonhos acabam ficando para trás. “Faça isso”, “ Encare isso” são frases que escutamos, mas quero determinar isso para mim, vou lutar até o fim!

Anna Jinga

Confissões de Anna é um experimento de construção de personagem realizado pela atriz Gabrielle Souza, do Grupo Brinquedo Torto para a próxima montagem do grupo, que estreia em Setembro. 

About Gabrielle