Confissões de Anna #7 – Ser forte!

Posted on Posted in Brinquedo Torto, Confissões de Anna

“Mãe, eu não sei onde você está, também não sei por que você se foi, e não tenho ideia de quanto me ama, ou se me ama. Por que você não está aqui, hein? ”, esse é um trecho de uma das cartas que enviei à minha mãe quando eu tinha 7 anos.

Até uns 7 anos de idade eu escrevia cartas para minha mãe, mesmo que eu não a conhecia, sempre esperei por ela. Eu costumava jogar as cartas pela janela esperado que o vento as levasse aonde ela estava. Fazia isso todo natal.

Eu via na minha escola, quando estava chegando o dia das mães, todas as crianças fazendo presentes caseiros, com lindas mensagens dentro de um cartão colorido, em forma de coração. A escola fazia pequenas festas para comemorar a data e todas as mães vinham com seus filhos, com muita alegria e risadas, balões e confetes com muitos abraços. Eu sempre ia, mas com meu pai.

Tentava não me importar de crescer sem uma mãe, porque na minha cabeça eu não precisava de mais nada, meu pai já era suficiente para mim, ele era o meu herói, mas toda vez que essa data chegava, parecia me faltar algo, como aquela pitada de sal na pipoca, sabe? Eu observava as meninas sendo maquiadas pelas mães, uma penteando o cabelo da outra, vestindo roupas parecidas, e isso me deixava um tanto curiosa para experimentar a sensação de fazer aquilo também.

 Vi um menino, aparentemente com 4 anos de idade, tentando andar numa linha reta sobre o cantinho da calçada, sem se desequilibrar, e já pensei “hmmm, ele vai cair”. Ele deu uma desequilibrada e quase caiu, eu já estava indo ajuda-lo quando uma mulher apareceu e estende a mão para segurara-lo, dizendo “ A mamãe está aqui, não tenha medo. ”. Aquela frase bateu forte na minha cabeça, e por mais que eu tentasse deixar aquilo não me atingir, não consegui.

Em casa, meu pai no sofá e eu no chão. A barriga borbulhando de ansiedade, eu queria perguntar, mas a voz travava, e o olhar não parava de se dirigir a ele. Eu estava nervosa, queria saber, nunca tinha tocado no assunto antes, será que era o momento certo, mas então eu falei “ Pai, por que eu não tenho mãe? Por que eu tenho que ser diferente? “, então ele olhou para mim surpreso, com suas sobrancelhas arqueadas e forçando a boca, olhava direto nos meus olhos, parecia faltar palavras em sua boca.

Vi que ele não conseguia responder, mas eu precisava saber, “ Por que ela abandonou a gente? Eu não era tão boa assim para ela ficar? ”, então meu pai mudou de expressão rapidamente, me olhando com os olhos arregalados, e com cara de bravo,  com uma voz bem firme, ele me segurou pelo braço e disse “Nunca mais repita isso, ouviu? NUNCA MAIS! ”, eu arregalei meus olhos surpresa com o estado que estava, nunca tinha alterado a voz comigo daquele jeito. Então respirou fundo e se acalmou.

Ele, com sua voz que era como a água do mar ao bater em uma rocha, pois era suave e com potência, me dizia “ Sua mãe foi embora sim, mas ninguém sabe o porquê, ela simplesmente desapareceu, sumiu no mundo, mas ela me deixou um presente lindo, que é você. Nem por um momento pense que a culpa foi sua por ela ter ido embora, todos têm problemas e ela tinha os dela! Não pense mal da sua mãe, ela não está aqui, mas você é forte o suficiente para não precisar dela. Lembre-se- se disso, você é forte! ”

Meu pai era o meu herói, e um dos seus poderes é de conseguir fazer me sentir bem comigo mesma. Minha mãe não iria voltar, mas se voltasse, eu estaria pronta para perdoa-la , afinal ela me fez desde pequena a ser forte!  E eu continuo esperando, sempre forte, mesmo sem esperança…

                                                                                                                                                                                       Anna Jinga

Confissões de Anna é um experimento de construção de personagem realizado pela atriz Gabrielle Souza, do Grupo Brinquedo Torto para a próxima montagem do grupo, que estreia em Setembro. 

 

About Gabrielle

  • Roberta Conde Xavier

    Eu chorei! Obrigada por me ensinar tanto, Anna!

  • Vinicius Aleixo

    Estou adorando essas postagens! <3