Beleza não é tudo – Singular SCS – Festival Fundação das Artes 2017

Posted on Posted in Áudios avulsos, Festival Fundação das Artes de Teatro Estudantil, Isso não é uma crítica, Novos Encontros, Reportagem
Reproduzir
Reproduzir

Na tarde desta terça, fiz uma visita à Escola Stagium, de Diadema, a convite da minha amiga Renata Stort, onde pude acompanhar a Experiência STG, projeto incrível em que os alunos colocam toda sua criatividade, intenção e vontade para resolver seus próprios incômodos. Pude apreciar a apresentação de 15 projetos de impacto social. Fiquei encantado com a estrutura da escola, com o carinho com que cada detalhe é pensado e, principalmente, pelo profundo diálogo que se estabelece entre educadores e jovens. Mas você deve estar se perguntando : por que razão estou comentando sobre isto aqui, neste momento, se este espaço destina-se à cobertura de um Festival de Teatro de que a escola em questão não está participando?

Eis a explicação: pude acompanhar duas meninas apresentando um projeto de uma revista chamada “Maria Bonita”, cujo principal objetivo era combater a ditadura da beleza, valorizando os encantos presentes em cada mulher. O “pitch” de 4 minutos, apresentados por duas meninas de aproximadamente 14 anos, foi apresentado de forma tão arrebatadora, que levou muitos dos presentes às lágrimas. Saindo de lá, ainda extremamente tocado por tudo aquilo que vi e, principalmente pela experiência (muito teatral) proposta pelas meninas do “Maria Bonita”, fui para São Caetano acompanhar mais um dia de Festival Fundação das Artes de Teatro Estudantil. O espetáculo da noite era “Beleza não é tudo”, do Grupo de Teatro do Colégio Singular, de São Caetano do Sul. As conexões borbulhavam em minha cabeça. Não podia deixar de associar o que vivi à tarde, com o que vivi à noite. Assim, meu relato será sobre o que as duas experiências suscitaram em mim. Falarei de a falar de “Maria Bonita” e “Beleza não é tudo”.

Mas antes de começar, preciso dizer que senti fortíssima relação do espetáculo do Grupo do Colégio Singular, com meu próprio espetáculo “Grande Altar ou Palco de Miseráveis Notáveis”, que será apresentado no sábado. Aproveito para reiterar o convite, para que possamos aprofundar a discussão. Mas vamos à minha resenha, minha análise, minha leitura.

 

Espetáculo:  Beleza não é tudo
Grupo de Teatro do Colégio Singular – São Caetano do Sul
Direção: Júnior Docini

Isso não é uma crítica

…é uma reflexão de encantamento…

Meninas fitam plateias. Respirações rápidas, corações acelerados. “Estou exposta. “Tenho medo de não gostarem de mim. De acharem que eu não sirvo. Tenho tanto dentro de mim, um universo para colocar pra fora… Acho que não sou como querem que eu seja.” É medo de rejeição que bate à porta no abrir da cortina, no disparar do cronômetro. É o medo, é o medo, é o medo…

Mas “Mesmo que sua voz estremeça, que sua mão trema, que o coração acelere, FALE A PARTIR DA SUA VERDADE”. E de repente, o jogo se estabelece. O olhar de quem vê e ouve, se funde ao olhar de quem diz. O medo cede espaço ao jogo, à relação. “Vai fundo que eu vou junto com você.” O jogo permeia a cena, a apresentação da ideia. A vontade de reorganizar, as cadeiras, os espaços e as mentes sujeitas à ditadura do “seja assim ou seja assado”. Um desejo pulsante: transformar o mundo que se curva ao culto da imagem. Silenciosamente ouve-se um grito vindo das mentes e dos corações destas meninas. “Não podemos compactuar com isso”.

A plateia colabora, seja em lágrimas ou risos, embarca no sonho proposto. Sonhemos, sonhemos juntos por um mundo onde a beleza esteja não só no que se vê, mas no que se sente, no sonhar, no fazer, no realizar, no viver junto. Por alguns momentos, vivemos o que há de mais belo, em comunhão, num encontro de olhares permeados por riso e choro. Que seja esta a beleza que predomina. Ela não tem prazo de validade.


 

Assim que acabou o espetáculo, conversei com as meninas do elenco e elas comentaram sobre a experiência.

No caminho de volta para casa, Roberta e Leandro comentaram sobre o trabalho do grupo.

VarleiXavier About VarleiXavier
Professor Xavier é meu herói preferido. Sempre me senti meio mutante, perdido e deslocado, mas o teatro (essa irmandade) me salvou. Desde então, com meus poderes mentais, recruto seres especiais para cumprir minha missão: Levar encantamento ao mundo. Professor, Ator, Dramaturgo, Diretor, Contador de Histórias e Sonhador Potente.