Alice no CEF 316 e o que ela encontrou por lá – Festival Fundação das Artes de Teatro Estudantil

Posted on Posted in Artigos
Reproduzir
Reproduzir

Disclaimer: Dessa vez, vou direto, sem introdução, porque conhecer o Grupo de Teatro Estudantil do CEF 316 foi uma das experiências mais transformadoras que vivi no ano. Amei conhecê-los e não há muito mais que eu diga numa introdução.

Quarta – 18/10

15h – Alice no CEF 316 e o que ela encontrou por lá – CEF316 – Santa Maria – DF

 

Foto: Leandro Souza

Isso não é uma crítica

… é um culto e um brinde à Resistência do Teatro Estudantil…

                “Você está atrasado, você está atrasado…”, eu ouvia dentro de mim mesmo, enquanto corria contra o tempo a caminho da apresentação desta tarde. Não podia perder a oportunidade de conhecer mais um grupo de teatro estudantil. Vieram de longe, diretamente do Distrito Federal. Eu não podia perder esta oportunidade. “Você está atrasado!”. Eu sei que estou, mas segura a porta um pouquinho que estou chegando. Não posso perder isso de jeito nenhum…

                Cheguei, atrasado, sim, mas ouvi “Começou agora”; fiquei mais aliviado, já que não tinha perdido muito. A primeira imagem que vi foi um grupo de alunos, sentados em fileiras, representavam uma sala de aula. Todos com a camiseta da escola. Ouço uma risada do público, piada que perdi, já que não havia sequer sentado. Tudo bem. Logo descubro o que está acontecendo. Enquanto sentava, já tocava em alto e bom som “Another Brick in the Wall”. Gostei deles assim de cara. Quando os vi em movimento, reconheci elementos de grupos irmãos como Trup´iê, Colibri, Núcleo Cativar. Aquele trabalho de coro legal, que preenche o palco e gera uma descarga de energia. PURA POTÊNCIA.

                “Olha a hora, você está atrasada…”, logo ouvi novamente. Dessa vez, não era para mim. Era para Alice. Ri gostosamente pois parecia que o elenco dizia aquilo para que eu ouvisse. Neste momento, já estava completamente envolvido, tomado, sugado para o palco. Aqueles meninos me ganharam da mesma forma que outros grupos já o fizeram anteriormente. Parecia um flashback, um Déjà vu, era como se eu conhecesse novamente Cia Tal&Pá, Grupo Cênico Tatu Bola e tantos outros. Vivi cada momento, cada instante e cada palavra com aqueles meninos e meninas em cena. E me pergunto: estou apaixonado por mais um grupo? Mais um? Como é que tem tanto espaço dentro desse coração velho e magro? Não sei, mas sei que o espaço existe e já foi preenchido. Que eu tenha outros espaços vazios.

                Terminado o espetáculo, ao ouvir os professores e alunos do CEF 316 e saber que eles estava há 15 horas viajando e tinham chegado meio dia, para se apresentarem às 15:00, fiquei embasbacado. De onde vem tanta energia depois de uma jornada tão cansativa? Ouço um pouco mais o professor Adriano, carinhosamente chamado de “Amadinho” pelos alunos e toda sua história de resistência, de como lutou com seus alunos para fazer a diferença, de como cada jovem enfrenta as mais diversas dificuldades para fazer teatro e vir a São Caetano, de como o teatro transformou a vida de cada um… logo preciso me abaixar para recuperar meu queixo, caído por entre as cadeiras. “Cara, quanta força!”

                Minha vontade é de abraçar cada um, dar um beijo na testa, agradecer pelo encontro e pedir, implorar com todas as minhas forças para que continuem, para que sigam transformando suas vidas, transformando a mim e a cada pessoa que os assiste. Agora a frase “Você está atrasado!” pesa-me menos. Cheguei atrasado, mas principalmente neste caso, antes tarde do que perder a oportunidade de conhecê-los. Acho que agora  posso dizer que tenho amigos no DF. Obrigado por terem me proporcionado uma experiência como esta.

 

Foto: Leandro Souza

Assim que acabou o espetáculo, eu conversei com a Giovanna, com o Bruno e com a Luana. Ouve só e diz se eles não são uns fofos.

Depois, conversei com Ana e Isadora, que assistiram ao espetáculo e colhi mais algumas impressões sobre o trabalho.

VarleiXavier About VarleiXavier
Professor Xavier é meu herói preferido. Sempre me senti meio mutante, perdido e deslocado, mas o teatro (essa irmandade) me salvou. Desde então, com meus poderes mentais, recruto seres especiais para cumprir minha missão: Levar encantamento ao mundo. Professor, Ator, Dramaturgo, Diretor, Contador de Histórias e Sonhador Potente.